BREVE PERCURSO PELA REGIÃO

BAIÃO   CINFÃES   RESENDE

Desembarcamos na Estação de Aregos e temos logo uma varanda sobre o rio Douro – artéria principal deste território – com vista para a outra margem, terra onde também germinou a ideia de nacionalidade, na infância do primeiro Rei de Portugal – D. Afonso Henriques – educado por Egas Moniz, o Aio, que dali governava um extenso território. Afonso Henriques havia de partir, mais tarde, para Guimarães, onde já armado cavaleiro, deu início à luta pela independência do país que somos.

E assim, na pele de ‘Quixote’ ou de ‘Sancho’, como quisermos (que também andaram à procura da beleza destes caminhos, pela mão de Eça), partimos à aventura e à descoberta de um Portugal genuíno e com raízes ancestrais, nomeadamente pré-históricas, romanas e medievais, mas também com novas surpresas para nos conquistar.

São soberbas e magníficas as paisagens milenares que descem do Montemuro – enriquecido com conjuntos megalíticos e curiosos afloramentos geológicos – até ao Douro, onde se abrigam memórias, monumentos e sítios de natureza religiosa e secular, como o Templo de Cárquere, a Igreja de Barrô, a Igreja de S. Martinho de Mouros e a Capela e Termas de Aregos.

Capital da cereja, cujo festival decorre em Maio, Resende oferece muito mais, como as famosas e deliciosas cavacas, disponíveis todo o ano, mas também com a sua festa, a acontecer em Abril.

Mosteiro de Santa Maria de Cárquere
Termas Caldas de Aregos
Cavacas de Resende
Cereja de Resende

Transpondo o rio Cabrum, continuamos o périplo à sombra da memória e território de Egas Moniz, ao encontro de outro vulto da história portuguesa – personagem de grande relevância diplomática, científica e literária – Serpa Pinto.

Desde o alto do Montemuro onde pastam, por entre a continuação dos monumentos megalíticos, os pachorrentos e pacíficos bovinos da Raça Arouquesa, deparamo-nos com uma paisagem deslumbrante e diversificada onde também não faltam manifestações da presença do homem a nível artístico, espelhadas nos ricos e valiosos monumentos como o Mosteiro da Tarouquela – monumento nacional classificado – as igrejas de S. João Baptista de Cinfães, S. Cristóvão de Nogueira e a Igreja Matriz de Escamarão. Um território cruzado pelas vias romanas e medievais, com as suas aldeias típicas e com o seu artesanato.

Museu Serpa Pinto
Igreja de Tarouquela
Raça Arouqeusa

O Museu Serpa Pinto convida a uma visita para melhor conhecer a região, onde se diz que também tinha ‘Paço’ Egas Moniz, e onde Afonso Henriques deu alguns dos primeiros passos. Não faltará certamente apetite para degustar uma suculenta Posta Arouquesa ou um apetitoso Arroz de Aba.

Na procura de espaços frescos e de lazer, o Vale e o rio Bestança brinda-nos com uma fauna e flora ímpar e atravessamos, novamente, sobre o Douro, a ponte de Porto Antigo e de Mosteirô para Porto Manso, entrando em Baião.

Posta Arouquesa
Rio Bestança
Ponte Esmoriz
Ponte do Porto Antigo

Sempre acompanhados pelas paisagens milenares, que se entrelaçam e sobrepõem, na unidade destas duas margens, também aqui os monumentos megalíticos da Aboboreira – principal contraforte do Marão – transportam-nos aos primórdios da presença humana nesta paisagem imortalizada por Eça de Queirós, António Mota e outros escritores.

Dólmen Serra da Aboboreira
Mosteiro de Santo André de Ancede
Fundação Eça de Queiroz

Muito antes da visita do autor de ‘A Cidade e as Serras’, hoje perpetuada pela Fundação com seu nome e por aquele romance, os castros, caminhos romanos e medievais, igrejas, mosteiros como Ancede e casas senhoriais, foram deixando a sua marca patrimonial.

Toda esta longa herança, aliada ao engenho dos herdeiros de tantas memórias, traduziu-se em peças de artesanato tão únicas e genuínas como as Bengalas de Gestaçô, as Cestas de Giesta de Piorna de Frende e os mosaicos romanos, bem como os sabores irresistíveis do Anho Assado com Arroz do Forno, acompanhado pelo vinho ou espumante da casta ‘Avesso’, sem esquecer o famoso Biscoito da Teixeira, presente nas romarias de norte a sul de Portugal.

Rally de Portugal - Baião
Bengalas de Gestaçô
Anho Assado
Vinho Verde - Casta Avesso

Tomado este ‘aperitivo’, liberte-se de amarras e parta à descoberta deste ‘Douro Verde’ pelos ‘Caminhos de Jacinto’.

Para informação complementar, contacte-nos ou consulte:

        www.cm-baiao.pt

        www.cm-resende.pt

        www.cm-cinfaes.pt